Home / Conteúdos / Artigos / Luizianne chega a 44% e lidera isolada disputa em Fortaleza

Luizianne chega a 44% e lidera isolada disputa em Fortaleza

Petista tem vantagem de 22 pontos sobre Moroni Torgan, do DEM, que está empatado tecnicamente com Saboya, do PDT.

O crescimento de Luizianne foi acompanhado também pela queda de sua taxa de rejeição, que passou de 29% para 26%, em 15 dias.

KAMILA FERNANDES
DA AGÊNCIA FOLHA, EM FORTALEZA

Antes equilibrada, a disputa pela Prefeitura de Fortaleza mostra agora Luizianne Lins (PT) abrindo uma vantagem de 22 pontos percentuais sobre o seu principal adversário, Moroni Torgan (DEM), segundo a última pesquisa Datafolha.

Em 15 dias, a petista, que tenta a reeleição, ganhou nove pontos e tem 44% das intenções de voto. Moroni perdeu sete e está com 22%, empatado tecnicamente com Patrícia Saboya (PDT), que manteve 19%.

O crescimento de Luizianne foi acompanhado também pela queda de sua taxa de rejeição, que passou de 29% para 26%.

Moroni, por sua vez, vive um movimento inverso, chegando a 37% de rejeição, contra 31% na pesquisa anterior. Patrícia ficou estável, com 20%.

A pesquisa foi realizada nos dias 5 e 6, com 816 eleitores. A margem de erro é de três pontos percentuais. O jornal “O Povo”, de Fortaleza, foi quem contratou a pesquisa, registrada no TRE com o nº 92.292/2008.

No levantamento divulgado no começo de agosto, antes do horário eleitoral, Luizianne e Moroni apareciam rigorosamente empatados, com 30% cada um. Na enquete seguinte, divulgada há 15 dias, ainda havia um empate técnico, mas com Luizianne chegando a 35% e Moroni, a 29%. Patrícia apenas oscilou de 22%, na primeira pesquisa, para 19% na segunda, e manteve o resultado agora.

Luizianne tem usado a propaganda eleitoral para enfatizar a importância da parceria dela com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e com o governador Cid Gomes (PSB). O slogan é “Fortaleza três vezes mais forte”. Na campanha de rua, há um forte trabalho para reforçar que Moroni é de partido contrário ao presidente.

O democrata também é acusado de não ter “identidade” com a cidade (ele é gaúcho e passa mais tempo em Brasília, onde atua como assessor).
Num contra-ataque, a campanha de Moroni acusa Luizianne de “xenofobia”.

Veja também

Carta ao povo brasileiro

Em texto enviado neste domingo (13) movimento reafirma convicção na inocência de Lula defende seu direito de concorrer às eleições presidenciais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook