Notícias
Home / Temas / Antirracismo / “Não vote em racista”: ataques de Michelle Bolsonaro às religiões afro gera reações

“Não vote em racista”: ataques de Michelle Bolsonaro às religiões afro gera reações

Movimentos se posicionam sobre o caso; nas redes sociais, usuários apontam que “intolerância religiosa é crime”.

Imagem via Wikimedia Commons

Movimentos populares, organizações, entidades, políticos, artistas e influenciadores se posicionaram, na manhã desta quarta-feira (10), contra os ataques às religiões de matriz africana feitos pela primeira-dama Michelle Bolsonaro.

Na segunda-feira (8), a primeira-dama compartilhou uma publicação que afirma que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) “entregou sua alma para vencer essa eleição”. O texto é acompanhado por um vídeo que exibe encontros do petista com lideranças de religiões de matriz africana.

Entre as principais hashtags das postagens contrárias ao ataque de Michelle Bolsonaro estão: “intolerância religiosa é crime” e “não vote em racista”, esta última em referência ao marido da primeira-dama, o presidente Jair Bolsonaro (PL), candidato à reeleição neste ano.

O uso do vídeos por bolsonaristas já foi alvo de uma representação feita pela Coalizão Negra por Direitos, que apontou a promoção de discurso de ódio. Em janeiro deste ano, uma dessas peças foi manipulada para sugerir que Lula declarava ter uma relação com o demônio.

Segundo a Coalizão à época, associações como essas são racistas, extrapolam o limite da liberdade de expressão e têm o objetivo de indignar e gerar ódio.

A Frente Inter-Religiosa Dom Paulo Evaristo Arns por Justiça e Paz publicou, na terça-feira (9), uma nota em que expressa preocupação com declarações os ataques de Michelle Bolsonaro.

“Em nome do respeito à fé, pedimos que a primeira-dama se retrate imediatamente, dentro dos princípios cristãos de amor ao próximo que afirma professar e aja em conformidade com as leis que regem nosso país, a fim de que seja verdadeiramente uma pátria para todos os brasileiros e brasileiras, indistintamente de opção religiosa ou política”, diz o documento.

Leia algumas das principais reações ao caso:

Via Redação Brasil de Fato

Veja também

Ministério Público arquiva inquérito sobre “pedaladas fiscais”

Seis anos depois de o Senado ter aprovado o impeachment de Dilma Rousseff por crime …

Comente com o Facebook