Home / Conteúdos / Artigos / Nova marcha de resistência marca dia da independência hondurenha

Nova marcha de resistência marca dia da independência hondurenha

O dia 15 de setembro é aniversário da independência de Honduras. Nesse dia, em 2009, milhares de membros da Frente Nacional Contra o Golpe de Estado em Honduras voltaram às ruas de Tegucigalpa para exigir a restituição da ordem constitucional e do presidente Manoel Zelaya. Foi a 81a jornada consecutiva de resistência contra o golpe militar de 28 de junho.

No dia 15 de setembro, milhares de membros da Frente Nacional Contra o Golpe de Estado em Honduras voltaram às ruas de Tegucigalpa para exigir a restituição da ordem constitucional e do presidente Manoel Zelaya.

O coordenador geral dessa aliança de forças populares, Juan Barahona, destacou que se trata da 81a jornada consecutiva de resistência contra o golpe militar de 28 de junho. Agregou que a luta da população continuará depois de obter esses objetivos – o fim da ditadura e a volta de Zelaya –, até a convocação de uma assembléia nacional constituinte que garanta a realização de transformações políticas, econômicas e sociais no país.

O dirigente camponês Rafael Alegria, em declaração à imprensa, destacou que, na quarta-feira passada, dia da independência nacional hondurenha, em todo o país, foram realizadas multitudinárias manifestações contra o golpe militar. Ele espera que o regime faça uma leitura correta do massivo repúdio aos golpistas e abandone o poder. Alegria reiterou que a Frente Nacional Contra o Golpe de Estado em Honduras busca uma solução pacífica e política para a crise desatada pelo golpe militar, para poder reordenar o país e realizar eleições livres.

Informações do Granma – 17/09/2009

Veja também

As eleições de 2018 e os desafios da esquerda | Raul Pont

"Não há mais condições de rompermos a crise do sistema eleitoral e partidário sem apontarmos para a sociedade a formação de um bloco sólido, plural, mas unificado em torno de um programa comum que a população se identifique. A eleição precisa ter o caráter pedagógico da identidade com um programa, um projeto de longo prazo, animado por uma Frente política ampla mas com uma coerência programática e objetivos comuns", defende Raul Pont.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook