Notícias
Home / Conteúdos / Artigos / Nova Primavera Petista | Hugo Manso

Nova Primavera Petista | Hugo Manso

Mais uma experiência ou um forte passo na construção partidária.

Bancada da DS na reunião nacional das secretarias de formação
  1. Apresentado em plena pandemia do Corona Virus[1], por iniciativa da direção nacional do PT, o projeto Nova Primavera se inicia com objetivo de constituir Núcleos de Vivências, Estudos e Lutas nos bairros, comunidades, locais de trabalho, locais de estudo ou locais de atuação.
  1. A concepção partidária sobre a relação Partido x Educação e Formação Política foi lançada por Paulo Freire quando da nossa fundação. A proposta de um Partido educador / educando que aprende e interage com o povo, exige decisão política, disciplina, cooperação, respeito aos saberes mútuos e financiamento.
  1. Em abril de 2023 o Diretório Nacional aprovou o Sistema Nacional de Formação e Educação Política e pela primeira vez organiza um coletivo com todos os setores partidários, não hierarquizado, envolvendo o Partido no processo de aprender e ensinar. Filiados(as) com pós doutorados, profissionais de todas as áreas e pessoas com baixa escolaridade, no partido, nivelam suas experiências de vida. A dedicação militante organiza a intervenção coletiva.
  1. A vivência escolar no Brasil tenta, a todos os dias, dizer as pessoas que elas não são capazes. Convivemos com uma imensa evasão escolar que produz uma massa que nem estuda, nem trabalha.

Uma escola sem diálogo, desestruturada física e materialmente aonde o estudante recebe informações em aulas expositivas e desinteressantes, empurra jovens e adultos para o mundo do trabalho, antes de receber a qualificação acadêmica e profissional. Esse mundo do trabalho, por sua vez, exige pessoas jovens, sadias e qualificadas, ou seja, não incorpora ninguém sem a devida escolaridade e experiência profissional. Essa é a vivência da maioria do povo brasileiro e, portanto, da militância com a qual buscamos organizar as lutas sociais e o PT.

  1. O Sistema Nacional de Formação busca organizar o trabalho formativo a partir das estruturas nacionais já existentes[2]. O fato novo é a unificação de todas as secretarias nacionais e setoriais temáticos dentro do sistema. Com a incorporação das secretarias estaduais de formação política, vem a capilaridade de todo o processo nos estados e municípios.
  1. Dentro do sistema, os Comitês Populares de Luta, buscam organizar a militância para além dos filiados e filiadas ao PT. A formação política não pode descolar-se das emergências partidárias e populares do dia a dia. Dessa forma, o acompanhamento militante da conjuntura, das disputas em defesa do governo Lula, dos nossos governos estaduais e municipais e as agendas sociais, em especial a atual disputa cultural e do modo de vida das pessoas, é imprescindível.
  1. A base teórica sobre a qual o projeto Nova Primavera Petista está estruturado, tem na educação popular e no materialismo histórico e dialético suas raízes. O materialismo está presente em nossa elaboração, desde a origem do PT – ver o manifesto de fundação em 1980 e o discurso de Lula na 1ª Convenção em 1981 – e foi reafirmado no texto “Socialismo Petista”, de 1985 e em diversas resoluções como do 7º Encontro e dos Congressos Nacionais.

A educação popular e as ideias de Paulo Freire completam nossos princípios educacionais através da prática freiriana do fazer, refletir e refazer.

Nosso objetivo é através da Pedagogia de Paulo Freire criar Núcleos do PT onde filiadas, filiados e simpatizantes possam ser acolhidos e discutirem os problemas e desafios dos territórios e que nós do PT podemos fazer sobre isso.” Maria do Rosário, Secretária Nacional de Formação do PT.

  1. Como tudo na vida e em especial na política, não há neutralidade. A construção partidária e a formação política da militância de um partido de esquerda precisam ter lado.

A Nova Primavera Petista posiciona-se diante as contradições da sociedade capitalista, patriarcal, homofóbica e xenófoba. Somos o Partido dos Trabalhadores e das Trabalhadoras, nos identificamos com o socialismo, valorizando a democracia partidária, sem nenhum conceito preestabelecido. O diálogo com as diferentes forças políticas do partido (e suas respectivas trajetórias e especificidades) precisa estar presente em cada passo do processo formativo. Para tanto há um esforço coletivo no sentido da pactuação de metodologia e conteúdo a serem abordados.

  1. Transformar a força eleitoral do Lula em força popular organizada e fortalecer o projeto histórico do partido é a missão do Nova Primavera. Para tanto, construir entendimentos comuns sobre a concepção da formação é fundamental. Imprescindível o envolvimento de jovens, homens e mulheres; de toda comunidade LGBT; de negros, negras e povos originários em seus saberes e vivências.
  1. Quanto aos conteúdos necessários ao processo formativo de nossa militância, não devemos nos referir a “grade” curricular, muito menos uma educação bancária. Precisamos sim, afirmar o sentido da luta e o papel da militância de esquerda num país com as características do Brasil. Alguns[3] temas devem ser debatidos em todas as suas dimensões:

# O conceito de trabalho;

# Economia solidária, criativa e constituidora de uma pratica socialista;

# Profissionalização, conhecimento e utilização das tecnologias;

# Ciência e conhecimento científico.

# Educação popular e educação acadêmica;

# Cultura e diversidade cultural;

# Comunicação, mídias sociais e redes;

# Saúde coletiva e o papel do SUS brasileiro;

# O racismo estrutural e a luta antirracista;

# Feminismo e socialismo;

# A diversidade humana;

# Ecologia, o meio ambiente, agricultura e alimentação saudável;

# A construção da unidade e dos pactos geracionais;

# História dos movimentos populares e sindical;

# Violências e segurança pública;

# Esporte e lazer;

  1. Estamos em um país imenso e diverso aonde questões que podem parecer secundárias, são centrais.

Necessário compreender o comportamento humano. Crianças brincam com armas, a aparência, as fotos e os vídeos estão fortemente ligados a autoestima e ao comportamento social. O debate sobre o alcoolismo e a presença de outras drogas exigem fortes e claros posicionamentos. É urgente a liberação do plantio e do uso da canabis. O suicídio, relacionamentos e violência familiar precisam ser enfrentados coletiva e socialmente. O papel da escola na formação das pessoas e a qualidade de vida e o trabalho após os 70 anos, todos são aspectos que na formação política de um partido de esquerda e socialista, precisam ser pautados.

  1. Ao mesmo tempo que precisamos defender os nossos governos, disputando projetos sociais, culturais e econômicos, precisamos construir as bases ideológicas do novo modo de produção que estamos sinalizando. Nossa disputa de valores e a reflexão sobre os problemas da vida quotidiana não teve início em maio de 68. Qual família ? Qual alimentação ? Como gerir equipamentos coletivos e construir habitações de novo tipo ? Que cidade e que vida urbana ou rural pretendemos ?

Essas e outras questões do modo de vida das pessoas somam-se as inquietações suscitadas pela automação, pela robótica e pelo teletrabalho que nos estimulam a debater as relações ócio/trabalho.

  1. Por fim, a principalidade no hábito da leitura. O estimulo e incentivo à produção cultural, livre e libertária. Que a “Nova Primavera Petista” mire-se em Rita Lee. Que entre no Brasil profundo, leia e releia as experiencias de Chico Mendes e de Paulo Freire.

Que na necessária pactuação partidária exista espaço para refletir sobre a música que ouvimos e passamos aos nossos(as) filhos(as) e netos(as), sem o medo de ser feliz !

Hugo Manso é Engenheiro, Professor do iFRN e Secretario de formação política do PT RN.

 

[1] Rápida cronologia:

2018:       07 de abril, prisão de Lula;  Outubro, eleições estaduais e nacional.

2019:       08 de novembro Lula livre; 31 de dezembro, a Organização Mundial da Saúde foi alertada sobre vários casos de pneumonia na cidade de Wuhan, na China.

2020:       11 de março, a COVID-19 foi caracterizada pela OMS como uma pandemia, se referindo à distribuição geográfica da doença; Outubro, eleições Municipais.

2021:       Lançamento da Nova Primavera Petista.

2022:       Eleições estaduais e nacional, com a vitória de Lula.

2023:       10 de abril, aprovação por unanimidade no Diretório Nacional, do Sistema Nacional de Formação e Educação Política do PT; 31 de maio, Instalação do Coletivo Nacional, estabelecendo a Formação Política como centralidade no processo de construção do Partido.

[2] Secretaria Nacional de Formação Política, cuja secretaria é a Deputada Federal Maria do Rosário, Fundação Perseu Abramo presidida pelo companheiro Paulo Okamoto e a Escola Nacional de Formação coordenada por Vivian Farias.

[3] Corro aqui o imenso risco de não formular corretamente a nomenclatura dos temas, bem como deixar de incluir outros temas fundamentais. Por favor corrijam e complementem.

Veja também

Chegou a hora! | Flávio Aguiar

José Cardoso Pires e o 25 de abril “É a hora!” (Fernando Pessoa, em Mensagem). 1. …

Comente com o Facebook