Notícias
Home / Conteúdos / Artigos / Pelo Direito de ser PT | Carol Dartora

Pelo Direito de ser PT | Carol Dartora

Algumas das razões da importância da candidatura própria:


Oposição: Lutamos contra a extrema direita em Curitiba, sem uma candidatura própria e
representativa do campo progressista da cidade não teremos oposição, a polarização
que uma candidatura do PT pode colocar no cenário das eleições é uma grande
oportunidade de disputar a consciência da população e levar uma candidatura ao
segundo turno.


Representatividade: Uma candidatura própria permite que o PT apresente suas
propostas e ideais diretamente aos eleitores de Curitiba, garantindo uma
representação direta de suas políticas e valores.


Fortalecimento do partido: Ao lançar uma candidatura própria, o PT fortalece sua
base eleitoral na cidade, consolidando sua presença e mobilizando seus apoiadores.
Diferenciação de propostas: Ter umacandidatura própria permite que o PT destaque
suas políticas e projetos específicos para Curitiba, diferenciando-se de outras
candidaturas e oferecendo uma alternativa clara aos eleitores.


Controle da agenda política: Uma candidatura própria dá ao PT maior controle sobre a
agenda política da cidade, permitindo que o partido leve adiante suas prioridades e
demandas.


Fortalecimento do partido localmente: Ao apresentar uma candidatura própria, o PT
demonstra sua presença e comprometimento com a política local. Isso fortalece a
identidade do partido entre os eleitores e aumentar sua base de apoio na cidade.


Defesa de pautas específicas: Uma candidatura própria permite que o PT destaque suas
próprias propostas e políticas para Curitiba. Isso é especialmente importante porque o
PT tem uma plataforma específica ou se estiver focado em questões que são
particularmente relevantes para a comunidade local.


Mobilização da militância: Ter uma candidatura própria motiva a militância e
simpatizantes do PT a se engajarem na campanha, seja através de trabalho
voluntário, mobilização de eleitores ou divulgação de propostas. Isso pode aumentar a
energia e o alcance da campanha do partido.


Para além desses pontos importantíssimos o pré-candidato cogitado para uma possível
frente ampla, Deputado Luciano Ducci, representa a direita em Curitiba há muito tempo.
Não tem afinidade alguma com nosso programa político, votou pelo impeachment da
ex-presidente Dilma Roussef, votou a favor do marco temporal para demarcação de
terras indígenas. Estar com ele significa perder nossa identidade e autonomia. Uma
frente ampla encabeçada por ele significa o apagamento do PT e da esquerda na cidade
em razão das divergências significativas, muitas irreconciliáveis, entre as plataformas
políticas do PT e de Luciano Ducci.


Desejamos:


Representação de setores específicos: O PT pode considerar que uma candidatura
própria é a melhor maneira de representar os interesses de determinados setores
da sociedade curitibana que tradicionalmente apoiam o partido.


Formação de uma bancada representativa: Eleger vereadores do PT significa garantir
uma voz no legislativo municipal para representar os interesses e preocupações da
população que apoia o partido. Uma bancada forte pode influenciar decisões, propor
projetos de lei e fiscalizar a atuação do poder executivo local.


Construção de uma base para futuras eleições: Eleger vereadores é fundamental para o
fortalecimento do partido a longo prazo. Uma presença consistente no legislativo
municipal pode criar uma base sólida para o PT disputar eleições futuras em níveis
estadual e federal na cidade.


Em resumo, ter uma candidatura própria para eleger vereadores em Curitiba não apenas
fortalece o PT localmente, mas também permite que o partido promova suas ideias,
mobilize sua base e construa uma presença duradoura na política municipal.


Na história, o PT protagoniza como o principal e mais forte partido no país. Por
isso, a cada pleito, quando constrói sua chapa para a majoritária e proporcional, coloca
na disputa muito além de nomes vinculados à uma sigla, mas, sim, um projeto que é
sucessivamente escolhido por uma parcela do eleitorado por aquilo que representa: a
defesa de um país mais justo e igualitário baseado na realidade dos trabalhadores. Dado
a isso, ao se isentar da disputa não apresentando nome(s) para qualquer uma dessas
eleições, está se enfraquecendo não apenas o partido ou o Diretório Municipal, mas
todo um projeto de política petista que é institucionalizado em todo território nacional.


Precisamos eleger parlamentares, mas mais do que eleger, precisamos colocar
nosso projeto na disputa, porque é a disputa que faz o PT ser do tamanho que é.


Nossa disputa por cidades mais justas, equânimes e que construam uma
sociedade para todas as pessoas é o que deve servir como mola propulsora para
construção de uma candidatura própria que defenda o projeto Petista de Cidades!


Carol Dartora (PT/PR)
Primeira Deputada Federal Negra do Paraná pelo Partido dos Trabalhadores,
2023-2026 (PT/PR) e Primeira Vereadora Negra de Curitiba pelo Partido dos Trabalhadores, 2021-2023 (PT/PR)
.

Veja também

 Carta de Berlim: a guerra e o Velho Diabo | Flávio Aguiar

“A mais fantástica das artimanhas do diabo é a de vos convencer de que ele …

Comente com o Facebook