Notícias
Home / Temas / Internacional / Polícia russa prende sociólogo Boris Kagarlitsky

Polícia russa prende sociólogo Boris Kagarlitsky

Os serviços de segurança abriram uma investigação contra o cientista político que tem sido uma voz crítica das políticas de Putin, sob a acusação de “incitamento ao terrorismo na internet”.

Foto: Divulgação Facebook

A informação sobre a acusação a Boris Kagarlistky foi dada pela agência Tass, citando o advogado do sociólogo e cientista político. Sergei Erokhov confirmou que o serviço de segurança russo (FSB) acusa Kagarlistky de incitamento ao terrorismo através da internet, um crime cuja pena prevista pode ir até aos sete anos de prisão.

Erokhov diz que o sociólogo marxista nega as acusações e diz que “nunca apoiou ou justificou o terrorismo” nas suas publicações. “O objetivo de todas as suas intervenções públicas é o de mostrar os verdadeiros problemas que o estado russo enfrenta”, afirmou o advogado, segundo o qual o motivo da acusação é uma publicação na rede Telegram acerca das consequências militares da explosão da ponte da Crimeia em outubro do ano passado.

Kagarlitsky está preso preventivamente e deverá ser ouvido esta quinta-feira no tribunal de Syktyvkar, a capital da república de Komi, no norte do país.

Boris Kagarlitsky é uma figura conhecida da esquerda russa. Nascido em 1958, foi um dissidente do regime soviético e em 1980 foi expulso do Instituto de Artes Teatrais onde estudava. Nessa altura dinamizava publicações da oposição de esquerda ao regime e foi preso em 1982 por “atividades anti-soviéticas”, sendo libertado no ano seguinte. Regressou ao instituto em 1988 após a subida de Gorbachev ao poder e dois anos depois foi eleito para o soviete da cidade de Moscovo, liderando o Partido Socialista. Em 1992 fundou o Partido do Trabalho e no ano seguinte voltou a ser preso, desta vez às ordens de Boris Ieltsin, cuja nova Constituição aboliu o soviete de Moscovo.

Nos anos seguintes prosseguiu a carreira académica, ensinando Ciência Política na Universidade de Moscovo e noutras instituições, sendo investigador principal num instituto da Academia Russa das Ciências dedicado aos movimentos laborais. Atualmente dirige o Instituto de Estudos da Globalização e Movimentos Sociais, que foi declarado “agente estrangeiro” Em 2018, o próprio Kagarlistky foi classificado pelo governo de Putin como “agente estrangeiro” ao abrigo da lei que classifica dessa forma instituições e autores cujos projetos  recebam financiamento a partir do exterior, neste caso a Fundação Rosa Luxemburgo com sede na Alemanha.

Em 2021, Kagarlitsky voltou a ser preso durante dez dias, desta vez por ter apelado à participação nos protestos contra a fraude eleitoral nas legislativas. Anos antes, na sequência dos protestos da praça Maidan e da formação das repúblicas separatistas no Donbass, Kagarlitsky sofreu duras críticas por parte da esquerda ucraniana, acusando-o de inflamar o conflito a apelar ao ódio e à guerra contra o “governo oligarca” da Ucrânia no seu diário online Rabkor. Mais tarde mudou de posição e opôs-se à intervenção militar da Rússia na Ucrânia muito antes da invasão de fevereiro de 2022. Agora, o Movimento Socialista Russo (RSD) solidariza-se com o sociólogo e diz que “podemos discordar o quanto quisermos das suas declarações e conclusões feitas em períodos distintos da sua atividade pública, mas resolveremos essas contradições num debate franco e aberto quando Boris estiver em liberdade”.

A investigação a Kagarlitsky levou a buscas no seu jornal online, mas também à detenção do ativista e psicólogo Alexander Archagov, também autor no Rabkor, em Moscovo, anunciou a sua advogada Yulia Kuznetsova. Archagov também já tinha sido preso durante dez dias em 2019 por ter participado num comício a favor dos candidatos independentes à eleição na capital russa.

As casas da socióloga Anna Ochkina na cidade de Penza e do gestor de redes sociais do Rabkor, Alexander Archagov, em Moscovo, foram também alvo de buscas da polícia russa.

Via Esquerda.net

Veja também

Israel quer expulsar 600 mil crianças palestinas de Rafah | Jeremy Scahill

Sobreviventes já vivem em condições precárias, e após tomar a passagem de fronteira Israel pretende …

Comente com o Facebook