Home / Conteúdos / Artigos / Proposta ao Diretório Nacional do PT

Proposta ao Diretório Nacional do PT

1845677Proposta de resolução política apresentada pela Mensagem ao Partido ao Diretório Nacional do PT, reunido em Belo Horizonte hoje (06 de fevereiro de 2015)

 

O Diretório Nacional do PT saúda o povo grego pela eleição do governo anti-neoliberal liderado pelo Syriza. Essa vitória é um alento para novas conquistas da esquerda no continente europeu, em especial na Espanha. O PT acompanha de forma solidária esse processo, certo de que as vitórias anti-neoliberais alcançadas na América Latina e aquelas em construção em outras regiões são fundamentais para erguer uma nova ordem econômica, política e social mais justa e democrática no mundo.

 

No Brasil a vitória da esquerda com a eleição da companheira Dilma Rousseff evidenciou a força do povo brasileiro mas ao mesmo tempo a força do neoliberalismo e o quanto nos falta avançar na democracia brasileira para superar um regime baseado na concentração de renda, riqueza e poder. Por certo, essa é uma luta que se trava no Brasil, na América Latina e no Mundo. Por isso nossa saudação auspiciosa à grande vitória do povo grego.

 

Uma das certezas do processo brasileiro é a continuidade da disputa política, social, econômica e de idéias que prossegue após a vitória eleitoral. Através de seus meios de comunicação, uma ampla coalizão de direita procura desconstruir programaticamente a vitória da esquerda. Com uma avassaladora e ininterrupta campanha – agora sem o horário eleitoral que nos dava espaço de comunicação de massas – continua a tentar demonstrar a inviabilidade de uma alternativa brasileira ao neoliberalismo. E, sob o manto dessa campanha, escondem-se interesses claros da minoria que domina a economia e a sociedade brasileira.

 

Esses interesses privatistas buscam hoje quatro objetivos: reduzir os salários reais através do desemprego, reduzir o papel dos bancos públicos, “liberar” o Banco Central para atuar sob sua orientação, e, não menos importante, reintegrar de forma subalterna o Brasil no sistema de dominação dos Estados Unidos e, simultaneamente, impedir a formação de uma ordem internacional alternativa ao imperialismo.

 

Essa plataforma neoliberal seria implementada caso o PSDB ganhasse as eleições. Perdeu, mas permanece a pressão para implementa-la. Essa pressão se expressa na grande midia internacional e nacional por uma campanha ao estilo “pensamento único” por um ajuste fiscal recessivo – porque aprofundaria a queda da atividade econômica, objetivando com isso reduzir o salário real através do desemprego – e regressivo, porque buscaria voltar atrás em conquistas fundamentais como o novo papel dos bancos públicos e até mesmo retirar direitos sociais arduamente conquistados.

 

O PT e o Governo Dilma, e temos certeza: o povo brasileiro, rejeitam esse curso. O nosso Governo não adotará nem a recessão e muito menos a regressão como métodos de direção da economia. As medidas recém adotadas nos critérios do seguro desemprego e na previdência devem ser debatidas amplamente e de modo especial com as Centrais Sindicais, mas elas não significam, em hipótese nenhuma, recessão ou regressão. Além disso, o PT defende que é preciso construir, com diálogo social e com legitimidade democrática, um novo tipo de medidas para elevar a capacidade fiscal do Estado. Trata-se de avançar na justiça fiscal e na superação da regressividade do sistema tributário brasileiro. O PT já apresentou iniciativa parlamentar pela taxação das grandes fortunas. Existem outras propostas nessa direção. Devemos debatê-las, propor unidade nessa luta, construir força e legitimidade para torná-la política pública.

 

As vitórias populares de esquerda nos governos enfrentam sempre o conflito entre a soberania popular, de um lado, e o poder econômico, do outro. Estamos no momento histórico de construir a superação desse conflito. Esse é o grande desafio da esquerda brasileira.

 

Construir a superação desse conflito implica em defender o programa eleito e fortalecer permanentemente o bloco histórico que se formou em torno a esse programa.

 

O mandato popular conquistado e conferido a nós pelo povo brasileiro deve ser compreendido como realização do programa, sabendo que sua realização não se dá no primeiro mês mas ao longo de quatro anos.

 

A reeleição da Presidenta Dilma Rousseff representa o quarto mandato dentro do mesmo projeto democrático-popular. São 12 anos de mudanças na direção da democracia econômica e política, iniciados em 2003 com o Presidente Lula. Esse processo só foi e só é possível devido à formação de um bloco histórico democrático-popular que soube conquistar a maioria nos momentos máximos de decisão. Nosso Governo é expressão de um bloco histórico de forças e de um programa. Nosso Governo resulta dessa identidade social-programática a ser permanentemente atualizada. Concebemos o governo não apenas como a instituição e sua base no Congressomas também a sua base política e social.

 

Vivemos agora mais um desses momentos de extrema disputa e que exigem tanto a unidade do bloco histórico democrático-popular como um salto de qualidade na democracia brasileira.

 

 

Emenda ao item 4

Frente ao permanente flerte com o golpismo daquelas elites que não conseguem vencer e nem convencer pelas idéias, é preciso avançar com vigor na luta democrática. A reforma política, a participação popular nas decisões públicas e a democratização dos meios de comunicação compõem o núcleo das lutas democráticas nesse momento.

 

 

O PT participa ativamente da luta pela reforma política. Nesse momento o PT deve tomar a iniciativa de propor a unificação das propostas democráticas pela reforma política e construir uma ampla e enraizada mobilização social para formar em torno à reforma política democrática uma vontade majoritária na sociedade. Partindo da proibição do financiamento empresarial e da garantia do financiamento público buscaremos construir uma plataforma unitária na qual defendemos que seja incorporada o voto em lista preordenada e paritária em termos de gênero. Ao mesmo tempo que nos propomos a contribuir para que as diversas iniciativas pela reforma política convirjam em movimento unificado e capaz de mobilizar, defendemos o direito de expressão de todas as opiniões e plataformas para além daquela que unifique imediatamente o movimento. Assim, continuaremos a sustentar a necessidade de consultar diretamente a população em um plebiscito e a necessidade de uma constituinte exclusiva. Nesse sentido, e à luz do resultado da eleição das presidências das casas legislativas, o PT buscará uma atuação em conjunto com entidades democráticas e movimentos sociais para conquistar a maioria na sociedade para apresentar uma nova estruturação da representação e de formas de participação direta para democratizar o Estado. Além disso, o DN apoia a declaração de inconstitucionalidade do financiamento empresarial às campanhas eleitorais em curso no Supremo Tribunal Federal.

 

Frente à decisão do presidente da Câmara de encaminhar a PEC 352, cujo objetivo é consolidar a doação empresarial aos partidos e candidatos, o PT reafirma sua oposição já tendo fechado questão sobre o assunto desde a legislatura passada.

 

 

Emenda ao item 2

O PT conclama ainda seus militantes a participar dos atos em defesa da Petrobrás como empresa do povo brasileiro. E reafirma o posicionamento tomado em Fortaleza em dezembro último de apoiar de forma decidida as investigações em curso sobre a corrupção na Petrobrás e manifestar também as suas exigências de que elas sejam conduzidas rigorosamente dentro dos marcos legais e não se prestem a ser instrumentalizadas, de forma fraudulenta, por objetivos partidários. O PT reafirma a disposição firme e inabalável de apoiar o combate àcorrupção. Qualquer filiado que tiver, de forma comprovada, participado de corrupção, deve ser expulso, como já afirmou publicamente o presidente do partido. Ao mesmo tempo, o PT aprofundará a luta pela reforma política, em particular pela proibição do financiamento de candidaturas eleitorais por empresas.

 

Em conjunto com a mobilização social pela reforma política,conclamamos a militância petista ao debate do 5º Congresso para atualizar nosso programa de transformação do Brasil e de nossa contribuição à transformação do mundo

Veja também

Dois anos de desgoverno – a crise de legitimidade | Juarez Guimarães

A defesa do impeachment de Bolsonaro deve organizar a política de resistência e construção de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook