Home / Conteúdos / Artigos / Resultado de outubro definirá novo cenário

Resultado de outubro definirá novo cenário

Eleições municipais podem reorganizar debate de conjuntura.

Uma provável vitória eleitoral do PT nestas eleições, além de fortalecer um campo político à esquerda na disputa nacional, pode criar uma dinâmica social e cultural bastante positiva. Pode ajudar a colocar movimentos sociais organizados e parte da cidadania numa postura mais ativa frente às reivindicações por reformas presentes no programa democrático e popular.

Para o PT, que quer manter as administrações populares, é a hora de generalizar as suas ações, mostrar e argumentar para todos o que muitas vezes só é realidade para parte. Apresentar para todos um projeto de futuro. Com o balanço positivo da maioria das administrações petistas, é provável que as candidaturas cresçam neste mês de setembro e cheguem bem colocadas à eleição de 3 de outubro.

Nesse sentido, o horário eleitoral gratuito na TV e no rádio é uma conquista democrática. Momento importante para o debate político, especialmente porque pode envolver grande parte do eleitorado. Em períodos não eleitorais e de baixa mobilização social, os assuntos relativos ao exercício da política são restritos a uma minoria da população. Nas eleições, a atenção de milhões é despertada.

E se o momento é de crescimento econômico, é hora oportuna para recolocar o debate. Qual crescimento? A quem beneficiar? Distribuição de renda, riqueza e poder. Este debate retoma o elo com as formulações históricas do PT.

Com o resultado das eleições de 2004, as forças políticas nacionais irão se posicionar para a segunda metade do governo Lula, com a perspectiva da sucessão em 2006. A provável vitória do PT, mantendo ou ampliando sua presença na administração de grandes centros urbanos, as conquistas do quinto mandato em Porto Alegre – sede do Fórum Social Mundial –, do terceiro mandato em Belém e a reeleição em São Paulo, Recife, Goiânia, Aracaju e tantas outras cidades propiciarão um ambiente favorável para os debates partidários que necessariamente ocorrerão.

Veja também

A antirreforma trabalhista: sem direitos e sem emprego | Miguel Rossetto

A nova reforma trabalhista é filha do golpe contra a democracia, a soberania nacional e os direitos do povo. Reduz o valor do trabalho e aumenta a exploração do trabalhador. Interrompe o ciclo virtuoso iniciado em 2003. Quer enfraquecer os sindicatos, acabar com direitos trabalhistas, dificultar o acesso à Justiça.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook