Home / Conteúdos / Artigos / Unila: nosso norte é o sul

Unila: nosso norte é o sul

A União Nacional dos Estudantes, ao longo de seus mais de 70 anos de história, sempre teve e defendeu como objetivos estratégicos a democratização do acesso à universidade pública e a integração da América Latina para a promoção do desenvolvimento regional sustentável e soberano. A criação da Unila – Universidade Federal da Integração Latino Americana – é mais um grande passo que o Governo Lula dá em direção a uma nova América Latina.

Daniel Gaspar *

Em Montevidéu, uma jovem de 19 anos conta à mãe que pretende entrar na universidade para cursar História e Direitos Humanos na América Latina. Em Teresina, Piauí, um rapaz de 20 confessa aos pais que optou pela cadeira de Saúde Coletiva e Preventiva em vez da tradicional e disputada faculdade de Medicina. Outro grupo de jovens, de qualquer parte da América Latina, preferiu ingressar no curso de Energias Renováveis. O valorizado curso de Engenharia do Petróleo deixou de ser a primeira opção.

Essas cenas representam uma nova realidade na vida da juventude latino-americana, fruto da ascensão de governos e movimentos sociais de esquerda na América Latina, que tratam o ensino superior público de uma forma diferente da que vinha sendo tratada pelas elites governantes. A União Nacional dos Estudantes, ao longo de seus mais de 70 anos de história, sempre teve e defendeu como objetivos estratégicos a democratização do acesso à universidade pública e a integração da América Latina para a promoção do desenvolvimento regional sustentável e soberano.

Assim como ocorreu no combate à pobreza, no enfrentamento à crise do capitalismo neoliberal e no episódio do golpe em Honduras, o Brasil foi protagonista e exemplo para os demais países latino-americanos no tocante à expansão e remodelamento do ensino superior público. Um exemplo disso é a recente aprovação no Senado brasileiro da criação da Unila – Universidade Federal da Integração Latino Americana –, mais um grande passo que o Governo Lula dá em direção a uma nova América Latina.

A Unila é a 13ª universidade criada pelo Governo Federal, que tem a meta de construir 16 até 2010. Somando essa ebulição de novas universidades federais ao Reuni – Decreto 6.096/2.007 -, que dobrou o número de vagas nas universidades federais se compararmos com a quantidade que era oferecida em 2003, podemos notar uma vultosa recomposição dos sistema público do ensino superior, privatizado sem escrúpulos nos 8 anos de governo FHC. A Unila se insere, portanto, no nosso projeto histórico de democratização do acesso ao ensino superior, neste caso, tanto brasileiro quanto latino-americano, pois metade dos estudantes virão de outros países da América Latina.

É preciso falar também que a UNE não defende a expansão do ensino superior público por si só. Está também na ordem do dia uma reforma da universidade, para democratizar sua estrutura, reformar os currículos e colocá-la a serviço de um projeto de sociedade justa e solidária. E é nesse ponto que a Unila se torna uma medida extremamente inovadora. Sua autonomia é relativizada, tendo em vista que a produção de conhecimento é colocada em favor da busca de soluções para os problemas dos povos latino-americanos. Basta notar os programas dos cursos oferecidos – Relações Internacionais e Integração Regional; História e Direitos Humanos na América Latina; Comunicação, Poder e Mídias Digitais; Energias Renováveis; Saúde Coletiva e Preventiva, entre outros -, que colocam os interesses da população à frente dos interesses do mercado e formam não robôs que reproduzem as desigualdades do sistema capitalista, mas sim, cidadão críticos que lutam por transformações na sociedade.

É com essa visão que a UNE defende a recente criação da Unila, a expansão do ensino superior público e o aprofundamento das relações, baseadas na solidariedade e na integração entre os povos e governos latino-americanos. É preciso incluir para integrar!

* Daniel Gaspar é Diretor de Relações Internacionais da UNE – União Nacional dos Estudantes.

Veja também

Com uma grande marcha, começa o Encontro de Montevidéu por Democracia e contra o Neoliberalismo.

Por Convergência de Comunicação dos Movimentos Sociais A principal Avenida de Montevidéu, capital uruguaia, foi …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook