Home / Conteúdos / Artigos / Às vésperas do PED

Às vésperas do PED

Jornal DS 24 [Nov2009]. Eleição interna precisa impulsionar terceiro governo à esquerda.

CARLOS HENRIQUE ÁRABE

A eleição da nova direção do PT está vinculada, em diversos aspectos, às expectativas em relação a 2010. Ela define a nova composição da direção que estará à frente do partido nas próximas eleições e expressa também o “estado de espírito” político do partido. Ou seja, como as correntes veem as tarefas do PT face ao desafio de conquistar o 3º mandato presidencial e face aos inúmeros problemas organizativos de um partido em crescimento e de base popular.

dl2-3
Mensagem ao Partido. Lançamento da candidatura de Cardozo, em agosto, em Brasília.

Nova composição da direção

De todas as listas que concorrem, a Mensagem ao Partido é a que guarda maior continuidade em relação às eleições de 2007. Depois de realizar dois encontros nacionais e se firmar como corrente de opinião interna, ela se fortaleceu com a elaboração programática, uma melhor organização e, de forma muito importante, com a participação de novos coletivos regionais. A lista da Mensagem é encabeçada pelo companheiro José Eduardo Cardozo.

A lista que tem como presidente o companheiro José Eduardo Dutra representa a antiga chapa Construindo um novo Brasil, que, em 2007, foi liderada pelo atual presidente Ricardo Berzoini. Ela agrega duas correntes que compuseram, com o Movimento PT, a chapa então liderada por Jilmar Tatto. Denominada agora “Partido que muda o Brasil”, dá a impressão de buscar reerguer, em novo formato, um “campo majoritário”. Isso, no entanto, parece depender de fatores regionais – em diversos estados, setores que a compõem disputam entre si – e, sobretudo, nacionais que exigirão respostas para as quais parece haver pontos de vista diferentes no seu interior.

Encabeçada pelo companheiro Geraldo Magela está a lista apresentada pelo Movimento PT: “Partido para Todos”. Ela foi enfraquecida pela saída dos antigos aliados de 2007 e por uma perda de unidade nacional, sendo que setores estaduais importantes não acompanham o movimento nacional.

A lista que tem como candidata a presidente a companheira Iriny Lopes reúne, de modo geral, as correntes que apoiaram Valter Pomar e Gilney Viana em 2007, apresentando-se agora como “Esquerda Socialista”. Na Bahia, a corrente EDP, que havia apoiado Valter Pomar em 2007, deslocou-se para a chapa “Partido que muda o Brasil”.

A corrente O Trabalho dividiu-se em duas, que se expressam através das candidaturas a presidente dos companheiros Markus Sokol e Serge Goulart.

As demais chapas não apresentam candidaturas a presidente e tendem a expressar diversos alinhamentos regionais. O mais destacado desses é o de Minas Gerais, com a chapa “Partido para Todos – Unidade na Diversidade”, que reúne antigos setores das correntes Construindo um novo Brasil e Movimento PT, e cujo eixo é a defesa da candidatura do ex-prefeito Pimentel a governador do estado.

A nova direção – como as anteriores – depende da capacidade de realizar sínteses, de responder aos problemas políticos e organizativos do PT. Nesse sentido, ela é mais que a expressão numérica – ou “correlação de forças”, no sentido mais vulgar – estabelecida pela eleição interna. O curto período que separa o PED da realização do 4º Congresso será decisivo nessa definição, pois a agenda inclui a formação da Executiva Nacional e a construção da plataforma de 2010 (programa e tática eleitoral).

Teses à esquerda

As principais chapas convergem no objetivo estratégico de conquistar o 3º mandato presidencial do PT com Dilma Rousseff e na idéia de um governo mais à esquerda. Esse cenário corresponde a uma conjuntura mais à esquerda, com o Brasil saindo da crise com uma plataforma antineoliberal. E, talvez, reflete uma tendência mais geral observada ao longo da trajetória do PT, que é a de que o partido não só influencia, mas é bastante influenciado pelo movimento geral das forças sociais e da sociedade brasileira. De todo modo, é um cenário positivo e que pode vir a ter a melhor expressão no 4º Congresso.

Nosso governo vem superando a experiência desenvolvimentista clássica na América Latina ao conduzir o desenvolvimento em conjunto com distribuição de renda. Mais do que isso, é possível dizer que a distribuição de renda – sobretudo através da elevação da renda do trabalho, como mostra o artigo a seguir, de Marilane Teixeira e Anderson Campos, – é um dos fatores centrais que vêm dando sustentação ao ciclo de desenvolvimento atual. Uma das críticas de esquerda mais fortes ao desenvolvimentismo da Cepal (Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe, da ONU) foi justamente à idéia de ter considerado que a superação da desigualdade viria de forma quase automática com o desenvolvimento econômico. E uma das consequências decisivas desse processo é o fortalecimento da classe trabalhadora na sociedade brasileira.

As alterações no modo de desenvolvimento rural, com a constituição de um pólo baseado na agricultura familiar, vêm criando uma alternativa ao modelo baseado no agronegócio. Essa mudança permite retomar a atualização da reforma agrária.
Os avanços nas políticas sociais, na sua universalização e no potencial de qualificação democrática – isto é, de expressarem mudanças de qualidade a favor das maiorias nas relações sociais de poder – são outro componente estrutural da via democrática do desenvolvimento brasileiro.

A consolidação da política internacional de esquerda não só ocupa espaços abertos pela crise interna e do papel dos Estados Unidos no mundo, mas atua para dar mais consistência ao novo modelo de desenvolvimento.

De outro lado, uma das travas a que todo esse processo não venha ocorrendo de forma plena é a continuidade da gestão monetária neoliberal do Banco Central. Com sua legitimidade combalida pela crise neoliberal e por sua atuação conservadora na crise econômica recente – como demonstra o artigo de Juarez Guimarães no DS/EmTempo 23 – o Banco Central precisa de nova orientação que combine soberania nacional e defesa da moeda com gestão anti-especulativa e pró-desenvolvimento do sistema financeiro. Os passos dados durante a crise e ao longo dos nossos governos no sentido de fortalecer o sistema financeiro público dão mais viabilidade para essa mudança.

Um dos avanços deste PED e do 4º Congresso pode ser o de reatar a elaboração do programa de governo com a perspectiva socialista democrática do partido. Essa relação foi evidente e forte nos programas de 1989 e 1994, e bastante diluída nos programas seguintes. A condução do governo frente à crise econômica definiu a vitória do programa antineoliberal. E abriu novos espaços para retomar com mais clareza os vínculos entre o programa de governo e a construção de um caminho em direção ao socialismo democrático. Esse é o grande aspecto positivo da conjuntura que estamos atravessando.

Desenvolvimento e democracia

A tese da Mensagem ao Partido acentua a importância estratégica da democracia participativa para a construção de uma via de desenvolvimento socialista e democrática para o Brasil. Vincula a esse projeto a reforma política conquistada a partir da pressão da sociedade (e não a partir da via legislativa, como concede a tese do “Partido que muda o Brasil”). E propõe levar em frente, incluindo no programa de governo, a convocação de uma Assembléia Constituinte para definir um novo e democrático ordenamento constitucional para um Brasil pós-neoliberal.

A tese do “Partido que muda o Brasil” defende que a democracia participativa já está sendo realizada, esquecendo-se que um dos seus pressupostos é justamente o de que as decisões, antes controladas pelo parlamento ou pelo executivo, passam a ser exercidas por mecanismos de participação direta da população. É o exemplo do orçamento participativo. Aliás, esse subdimensionamento da participação popular aparece também na sua visão de como conquistar a reforma política, que é vista como um assunto da alçada do poder legislativo.

A questão das alianças

Quanto mais claro e mais definido nosso programa como de esquerda, melhores condições teremos de resolver a política de alianças. Frente a um cenário de “abertura ao centro” (leia-se PMDB), nosso programa é um elemento fundamental – mas não único e nem “salvador” – para a afirmação de uma identidade de esquerda para a candidatura Dilma. É necessário enfrentar concretamente a questão das alianças.

A “abertura ao centro” (e, às vezes, a setores de direita) parece corresponder ao fracasso na realização da reforma política e na construção da democracia participativa, de um lado. E, de outro, a uma relativa separação entre eleição e governo, com as alianças sendo pensadas em função do primeiro e cobrando o seu preço na hora de realizar o segundo. E isso se dá em um ambiente em que o sucesso do nosso governo atrai forças políticas oportunistas, inclusive ao interior do PT.

Frente a esse problema, as teses principais defendem a importância e prioridade de uma frente de esquerda, o que é um avanço. Elas variam na relação a ser estabelecida com o PMDB. A tese do “Partido que muda o Brasil” chega a propor palanques “unitários” nos estados, uma hipótese já superada nos debates recentes sobre tática eleitoral no âmbito da Executiva Nacional. As demais teses principais acentuam a primazia do bloco de esquerda popular. A tese da Mensagem admite a relação com o PMDB no âmbito nacional, sem impor subordinação aos estados.

Há muitas indicações de que essa questão dependerá do desenvolvimento concreto da polarização entre PT e PSDB e dos alinhamentos estaduais. Nenhum automatismo ou fórmula pré-definida parece dar conta de antecipar o cenário que teremos nas disputas de 2010.

dl2-4
Campanhas. Tarso Genro, pré-candidato ao governo do RS, com Raul Pont e Cardozo em atividade do PED.

A reorganização do PT

Ainda que a organização do PT não seja o ponto central da agenda, podemos e devemos afirmar que só há política de esquerda quando existe um partido socialista efetivo na sua organização, no seu programa e na sua ética. Aliás, sobre a ética, prevalece, com honrosas exceções, como a tese da Mensagem ao Partido, um silêncio retumbante por parte das demais teses principais. O silêncio preocupa, sobretudo, neste momento, em que o partido tem como desafio tirar do papel o Código de Ética recentemente aprovado no DN. Esse fato deve nos chamar a atenção para o risco de não correspondência entre uma visão mais à esquerda sobre o governo e o atraso na construção do partido, que continua com enormes problemas organizativos (dentre eles, o mais grave é o das filiações em massa).

Devemos dar atenção a uma afirmação da tese “Partido que muda o Brasil”, que diz “É preciso fortalecer uma política que cada vez mais condicione o direito de voto dos filiados à sustentação material e participação em ações de formação. (…) é preciso que o PT esteja mais forte e mais protegido de interesses a ele estranhos” (Caderno de Teses, p. 42). Essa conclamação tardia – depois de conciliar e se beneficiar de filiações em massa, como em Manaus – não deixa, no entanto, de ser importante. Nosso companheiro José Eduardo Cardozo apresentou nos debates a proposta de alterar o estatuto e o funcionamento interno de modo que a filiação não corresponda automaticamente ao direito de voto: este deve estar submetido à participação e ao compromisso de sustentação do partido (o que vale também para as instâncias partidárias). A questão central não é o crescimento do PT: precisamos crescer e enraizar no Brasil inteiro. A questão é como e quem se beneficia desse crescimento.

O Código de Ética é um instrumento central nesse desafio e naquele que se refere à proteção do PT frente a “interesses a ele estranhos”. É também central na defesa e na prática da democracia interna. Esperamos que a nossa honrosa exceção ao defendê-lo seja compartilhada pelas demais correntes e pela base do partido.

CARLOS HENRIQUE ÁRABE é Secretário Nacional de Formação Política do PT, e integra a executiva nacional do partido representando a “Mensagem ao Partido”.


 

Veja também

Carta ao povo brasileiro

Em texto enviado neste domingo (13) movimento reafirma convicção na inocência de Lula defende seu direito de concorrer às eleições presidenciais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook