Home / Conteúdos / Artigos / Contag contesta notícia do Vermelho sobre desfiliação da CUT

Contag contesta notícia do Vermelho sobre desfiliação da CUT

Matéria publcada originalmente no site Vermelho. Se preferir, leia no local original.

02/11/2007. A diretoria da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag) lançou nota, nesta quarta-feira (31), contestando a matéria “Plenária Nacional da Contag aprova desfiliar entidade da CUT”, publicada pelo portal Vermelho no dia 26 de outubro. Segundo a nota, “essa afirmação é absolutamente inverídica”. Reconhecendo a opinião oficial da entidade, o Vermelho publica a nota na íntegra abaixo, mas destaca que reproduziu apenas informações repassadas por militantes da Contag que atestam as disputas internas pelos rumos da entidade. Leia a seguir a nota.

Plenária não desfilia Contag da CUT

A mídia partidária e comercial começou a divulgar, a partir da semana passada, notícias infundadas sobre a 2º Plenária Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag). Segundo matérias publicadas no portal Vermelho e no site 24 Horas News, os (as) delegados (as) teriam aprovado a desfiliação da Contag à Central Única dos Trabalhadores (CUT). Como essa afirmação é absolutamente inverídica, vimos a público para resgatar a verdade dos fatos e fazer os esclarecimentos relacionados abaixo:

1. A 2º Plenária Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais da Contag não aprovou, em nenhum momento, a desfiliação da Contag à CUT.

2. A Contag é filiada à CUT desde 1995 por decisão do 6º Congresso Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais. Portanto, a entidade não está participando de nenhuma articulação para a fundação de qualquer outra central sindical.

3. As resoluções aprovadas contêm críticas à relação CUT / Contag e reafirma a necessidade de o movimento sindical de trabalhadores e trabalhadoras rurais (MSTTR) continuar debatendo essa questão, bem como exigir da CUT uma definição clara e definitiva sobre a representação do setor rural.

4. Os delegados (as) da Plenária aprovaram uma avaliação da conjuntura, que, além de apontar conquistas, reafirma como correto o posicionamento da Contag, afirmando: ”Nossas ações se baseiam na convicção de que a Contag e o MSTTR devem manter sua autonomia e independência de qualquer que seja o governo” e ”que a Contag é uma das organizações do movimento social que melhor tem se posicionado nesta conjuntura”. O texto aprovado, ao final, resume: ”Enfim, consideramos que o balanço geral do MSTTR nessa conjuntura tem sido positivo, apesar das dificuldades de uma nova conjuntura… concluímos que a Contag e o MSTTR conseguiu posicionar-se de forma correta frente aos desafios colocados, ampliar nossa influência, conquistar o respeito dos nossos interlocutores e da sociedade e, em especial, de outros atores do movimento sindical”.

5. Vale ressaltar que as propostas com críticas à atuação política da direção da Contag frente às lutas do MSTTR e a nossa postura diante do governo federal foram rejeitadas pela ampla maioria dos delegados e delegadas que participaram da Plenária.

6. A criação de uma nova central sindical é um direito legítimo e democrático. Porém, esse debate deve ser feito à luz da verdade, com discussões de alto nível e com propostas concretas que garantam a democracia, unidade e avanço da luta dos trabalhadores. A tentativa de associar a Contag e a CUT como ”correias de transmissão” do governo federal também só servem para dividir e enfraquecer a nossa categoria e o direito de organização de todos trabalhadores. Aliás, esse tem sido o principal argumento dos setores conservadores para atacarem nossas organizações.

7. Nós também lamentamos o fato de os dirigentes da Contag, que participaram efetivamente da Plenária, não terem sido ouvidos em nenhum momento para a produção destas matérias. Desse modo, o contraditório – um direito inalienável pelos quais todos os trabalhadores e trabalhadoras organizados lutam até hoje – não foi garantido.

Diretoria da Contag

Leia a polêmica notícia aqui.

 

Veja também

Lula: Quero andar pelo País para mexer com consciência do povo

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva começou, nesta quinta-feira (17), na Bahia, a jornada que fará pelo Nordeste do Brasil. Em Salvador, ele deu início ao projeto Lula pelo Brasil, que percorrerá 25 cidades, em 20 dias. Segundo o presidente de honra do PT, a caravana terá como objetivo “mexer com a consciência do povo brasileiro”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook