Home / Conteúdos / Notícias / MudaPT: balanço sobre as decisões do Diretório Nacional

MudaPT: balanço sobre as decisões do Diretório Nacional

2688704Não ao Golpe, Fora Temer! 

Nenhuma aliança com golpista!

Todas e todos pelo Encontro Nacional Extraordinário do PT eleito pela base!

Reunidos no último dia 17 de maio de 2016, em Brasília, debatemos no Diretório Nacional do Partido dos Trabalhadores a mobilização contra o golpe e a oposição total ao governo ilegítimo de Temer, a volta de Dilma com um programa de mudanças, a política de alianças para as eleições de 2016 e os rumos do PT.

Como a maioria dos membros do DN, defendemos uma postura combativa, intransigente e sem tréguas contra o golpe. “Governo” resultado de golpe de Estado deve ser confrontado e inviabilizado pela militância democrática e de esquerda. Essa definição é fundamental para o PT enquanto alternativa de esquerda, popular e democrática no país.

Sobre a política de alianças, defendemos uma tática eleitoral que proíbe alianças com partidos e lideranças golpistas. Uma política de alianças coerente com o momento político que vivemos de defesa da democracia e enfrentamento ao golpe deve ser construída sobre bases programáticas, abrangendo os partidos que compõem as Frentes Brasil Popular e Povo sem Medo, além de setores e lideranças que se posicionaram em defesa da democracia e contra o impeachment. O texto que apresentamos teve como base a resolução da Executiva Estadual do PT RS.

Entendemos que a resolução aprovada pelo DN passou a incorporar a luta contra o golpe como critério, mas foi pouco assertiva, priorizando timidamente os partidos do campo democrático-popular. A possibilidade de coligações com partidos golpistas com a porta aberta pela avaliação “caso a caso” implica no risco da exceção virar regra, para o que nos manteremos vigilantes.

No debate sobre os rumos do Partido dos Trabalhadores, avaliamos que o PT que temos hoje não tem sido capaz de responder ao atual cenário político.  O Partido vem perdendo ao longo do tempo combatividade e burocratizou-se. Sustentamos que o PT precisa mudar e firmar um compromisso definitivo com os movimentos sociais e com a rua. Entre várias alternativas, como um Congresso Extraordinário até a manutenção do quadro de imobilismo atual, conquistamos a realização de um Encontro Extraordinário do PT em que a base social e militante do PT mude os rumos do nosso partido. Esse Encontro deverá ser um momento de afirmar nosso projeto partidário de alternativa política de esquerda e socialista.

O PT encontra-se diante de grandes desafios: fazer frente ao golpe, aos retrocessos sociais, manter vivas as mobilizações, enfrentar os ataques à esquerda e ao próprio PT, derrubar o governo ilegítimo de Temer; e, ao mesmo tempo, mudar a estratégia e a linha política do Partido, corrigindo os erros que contribuíram para que chegássemos ao atual estado de coisas e resgatando seu papel revolucionário de Partido de massas, de esquerda e socialista.

Não é uma empreitada simples, mas a boa notícia é que não nos resta outra alternativa e que, em dando conta dessa tarefa, o PT sairá desse processo mais forte do que nunca.  Nesse sentido, a convocação do Encontro Extraordinário é um importante passo para um balanço e autocrítica do PT que aponte mudanças da estratégia e linha política do partido, que amplie o seu apoio popular e credibilidade na sociedade, que expresse a diversidade e o projeto histórico da classe trabalhadora e se organize como um partido socialista, militante e de massas.

Para tanto, defendemos claramente a eleição de delegados e delegadas na base, a partir de encontros municipais que garantam amplo debate, com a horizontalidade e profundidade que o atual momento exige. O Encontro Extraordinário precisa ser um processo aberto, autêntico, democrático; deve lembrar a grande mobilização que fizemos no PED de 2005.

Conclamamos os membros da CEN e todas as correntes que optem por regras democráticas para a realização do Encontro. A eleição de delegadas e delegados é uma premissa básica para que o Encontro represente um novo gás para o PT.

Nos dirigimos aos militantes do Partido dos Trabalhadores, fazendo um chamamento a que iniciem as discussões para o Encontro Extraordinário em seus diretórios municipais e núcleos, e que contribuam com a Comissão Executiva Nacional do PT na compreensão do Encontro que queremos.

O PT deve se reorganizar e mudar sua política no processo de enfrentamento radical ao golpe, reencontrando-se com seu projeto socialista e com o seu papel de organização de massas, com legitimidade junto à classe trabalhadora e aos diferentes movimentos que estão em afluência pelo país.

É tempo de aprender com os erros e não deixar que eles se repitam.

É tempo de ousar e resistir!

Muda PT!   

(Articulação de Esquerda, Avante S21, Mensagem ao Partido, Militância Socialista)

Veja também

Juntos com Rossetto pelo Rio Grande

No final da década de 1990, nos disseram que as políticas “modernizantes” do neoliberalismo seriam …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook