Home / Conteúdos / Notícias / #PatrusPrefeito: pela ampliação da esfera pública em diálogo com a juventude

#PatrusPrefeito: pela ampliação da esfera pública em diálogo com a juventude

312965Por Estevão Cruz *

O lançamento da candidatura do companheiro Patrus para Prefeito de Belo Horizonte está sendo festejada por toda a esquerda partidária, pelos movimentos sociais e populares e pela população da cidade que carrega no coração as utopias abertas pelas marcantes gestões petistas na cidade.

No PT, a nossa corrente e o campo que ajudamos a construir durante as discussões internas compartilham esse clima de felicidade e também do sentimento de vitória. Em nossa opinião, a tese que formulamos para os encontros partidários se mostrou correta ao longo do processo, pois propunha pavimentar um caminho de unidade interna com retomada da nossa identidade socialista e encontrar saídas táticas para esse objetivo estratégico, alcançado ao final do processo.

A política é um xadrez difícil de ser jogado, mas nessas eleições a questão decisiva sempre foi a de criar as condições para essa vitória política do PT. No início das discussões indicávamos que a realização desse debate de forma pública era importante para o PT, pois: 1) numa primeira hipótese, forçaria o PSB a ceder ao nosso movimento e a esvaziaria as pressões do PSDB; ou 2) num segundo caso, fortaleceria nossas razões de candidatura própria caso o PSB optasse ao final por corresponder às expectativas do PSDB. Após um processo forte que parecia confirmar a primeira hipótese, prevaleceu a segunda. Em ambos os casos, a força da mobilização interna do PT em torno da candidatura própria combinada com a disposição pública de repactuação com o PSB até o final, deixa para eles o ônus e o desgaste do rompimento e oferece uma primeira razão pública para a candidatura própria do PT.

Além disso, a opção do Prefeito de rejeitar a repactuação com o PT, com os movimentos populares e com a população mais pobre da cidade o enquadrou de forma definitiva no projeto tucano, com seus modelos empresariais de gestão do Estado. Essa segunda razão pública é capaz ainda de dar nitidez e contorno à disputa de projetos que se trava na cidade, sintonizando-a com a dinâmica nacional: de um lado estarão as forças regressivas e a sua defesa da hegemonia da esfera mercantil sobre a sociedade e o Estado; de outro, as forças de esquerda e progressistas e a luta pela ampliação e fortalecimento da esfera pública.

A campanha eleitoral será difícil e com resultados ainda imprevisíveis, mas o contorno dessa disputa será importante para politizar a cidade e, em especial, a juventude. Nós somos 632 mil jovens belorizontinos, representando cerca de 28% da população. Praticamente 2/3 de nós está no mercado de trabalho e desses quase 90% estamos ocupados. Esse fortalecimento econômico e social – ainda limitado pela maior incidência de trabalhos precários e de baixa remuneração-, reforça a necessidade de ampliação da esfera pública, combinando novos equipamentos públicos de saúde, educação, cultura, esporte, moradia, etc, com a retomada dos espaços de participação popular.

Um dos primeiros grandes desafios dessa campanha será o de apresentar o companheiro Patrus à essa nova geração de jovens, vinculando o Patrus de 20 anos atrás às necessidades do presente. Para nós, é exatamente essa defesa do fortalecimento da esfera pública contra o modelo privatista que conquistará os corações e mentes da juventude, reforçando os sonhos e a esperança na população de BH.

* Estevão Cruz é diretor de Políticas Educacionais da UNE, militante da JPT e integrante da coordenação nacional de juventude da Democracia Socialista.

Veja também

Juntos com Rossetto pelo Rio Grande

No final da década de 1990, nos disseram que as políticas “modernizantes” do neoliberalismo seriam …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook