Home / Conteúdos / Notícias / Retrocesso democrático na Hungria

Retrocesso democrático na Hungria

488823Do site Esquerda.net

Restrições à propaganda política nos meios de comunicação durante as campanhas eleitorais; adoção de uma regra que prevê que os estudantes universitários só podem obter subsídios estatais caso se comprometam a trabalhar na Hungria após terminarem os estudos; aplicação de multas ou penas de prisão para os sem-teto que dormem nas ruas; controle da liberdade religiosa; redefinição de funções do Tribunal Constitucional; instituição do casamento heterossexual como única forma aceitável de formação familiar; restrição na atuação das instituições independentes do governo.

Estas são algumas das medidas que compõem a emenda constitucional aprovada nesta segunda-feira (11) com os votos favoráveis dos deputados do Fidesz, o partido conservador do primeiro ministro Viktor Orban, e dos Democratas-Cristãos, aliados de coligação no governo, assim como de três deputados independentes.

No total, a emenda constitucional obteve 265 votos favoráveis, 11 contra e 33 abstenções. Os socialistas recusaram-se a participar nas votações.

Desde que Viktor Orbán tomou posse, em 2010, esta é a quarta rodada de emendas constitucionais introduzidas, sendo que parte das alterações agora aprovadas já tinham sido rejeitadas pelo Supremo Tribunal da Hungria ou contestadas pelos parceiros da União Europeia.

Após a votação, a União Europeia e o Conselho da Europa emitiram uma declaração conjunta na qual sublinham que as mudanças “elevam as preocupações em relação ao princípio do Estado de Direito, o Direito da UE e as normas do Conselho da Europa”.

Também a Comissão Europeia, o Departamento de Estado norte-americano e várias organizações de defesa dos direitos humanos, como a Anistia Internacional, já tinham expressado anteriormente a sua preocupação face à ameaça de retrocesso democrático.

Milhares de manifestantes concentraram-se em Budapeste para contestar as novas mudanças à Constituição e para exigir que o Presidente János Ader vete a reforma constitucional. “Estamos aqui para dizer que já chega, isto é demais”, declarou um dos manifestantes, Luca Cseh, de 17 anos, acusando o governo de “oprimir não só os estudantes, mas também os homossexuais e os sem-teto”. Está ainda prevista uma outra manifestação no dia 15 de março, dia da festa nacional húngara.

Veja também

Juntos com Rossetto pelo Rio Grande

No final da década de 1990, nos disseram que as políticas “modernizantes” do neoliberalismo seriam …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook