Home / Conteúdos / Notícias / Das ruas aos shoppings, as mesmas respostas à juventude

Das ruas aos shoppings, as mesmas respostas à juventude

1226817Por Gabriel Medina, na Carta Capital

As jornadas de junho, que se estenderam por alguns meses do Brasil foram o melhor e maior acontecimento do ano de 2013. Jovens do Oiapoque ao Chuí ocuparam as ruas, reivindicando o direito à mobilidade, melhoria nos serviços públicos e o direito à participação política, questionando o modelo da democracia tupiniquim.

Se por um lado, os benefícios sociais alcançados na última década tenham tido impacto nessa nova geração, de outro se evidenciou a necessidade de aprofundar e dar mais velocidade às transformações em curso, pois os brasileiros querem muito mais.

O custo alto com o transporte foi o ponto de partida das manifestações em 2013, mas seu combustível inflamável foi a violência policial, reação de governos com dificuldade de constituir canais de diálogo e construção conjunta de alternativas com a juventude.

O ano de 2014 começa com as cenas brutais de violência em Pedrinhas, no Maranhão, uma clara afronta aos direitos humanos, mas, sobretudo, a expressão mais clara de falência do sistema penal e carcerário brasileiro. Extermínio da juventude, encarceramento em massa, condições desumanas em presídios, criminalização da ocupação da rua e violação permanente dos direitos humanos são práticas instituídas em nossas polícias e anunciam problemas que estruturam a existência de um apartheid social.

O fenômeno social dos “rolezinhos”, iniciado no final de 2013, virou a pauta principal do país. Jovens, na sua maioria menor de idade, moradores da periferia, definem os shoppings como território de encontro e confraternização. Estão ali para se socializar, arrumar uma namorada, beijar na boca e serem vistos como indivíduos que desejam e que reivindicam seu lugar na sociedade.

Os “rolezinhos” causaram espanto, mas é de desconhecimento da maioria que os “incômodos” pancadões (bailes funks de rua) são alvo de intensa violência policial nas periferias da cidade. Sem opções de lazer e cultura nos bairros e com dificuldade de circular e usufruir as opções privadas disponíveis na intensa vida noturna de São Paulo, jovens fazem suas festas onde e como podem. Abrem os porta-malas dos carros, com sons potentes e organizam festas. É uma alternativa às boates da Vila Olímpia – entre outras baladas consideradas ‘legítimas’ – onde, muitas vezes, também há drogas e sexo. Cabe aqui a reflexão: por que algumas manifestações de jovens são permitidas e outras não?  O recorte de classe e de raça pode nos indicar uma resposta. Os “rolezinhos” são discriminados, porque deles participam jovens negros, pobres e fazem isso na rua.

A liminar que proibiu o acontecimento dos “rolezinhos” nos shopping legitimou o uso da força policial e da violência, mesmo que não houvesse atos ilícitos registrados. Teve como conseqüência à organização de duas portas de entrada em um estabelecimento privado, mas aberto à freqüência pública, prática discriminatória e indefensável.  Como definir pela idade, cor da pele, estilo de roupa, se este ou aquele estão proibidos de freqüentar? Com que direito oficiais de justiça e policiais cadastram jovens potencialmente perigosos, práticas da época da ditadura militar?

Enquanto não mudar a forma de olhar, entender e conversar com a juventude, as respostas trarão medidas paliativas, que escamoteiam uma discussão de fundo que temos que construir. A juventude precisa ser considerada como sujeito de direitos e principalmente ter o direito aos bens culturais e sociais da cidade.

É também necessária a construção de um modelo de desenvolvimento que ultrapasse os limites de uma sociedade de consumo, que recupere a dimensão pública da vida, que desmercantilize as formas de convívio e contribuam para a formação de cidadãos críticos e ativos.

O Brasil demanda uma série de reformas ainda não realizadas, como a política, a democratização das comunicações. Contudo, um tema central que precisa ser respondido imediatamente é a superação do modelo policial construído na ditadura militar e a afirmação de um projeto de segurança pública cidadão, com respeito aos direitos humanos. Enquanto as formas de se relacionar com os jovens forem bombas e a porrada, continuaremos a construir uma sociedade marcada pela violência, intolerância e preconceito.

* Gabriel Medina é coordenador da Juventude da Prefeitura de São Paulo.

Veja também

Jornal Em Tempo digitalizado está disponível na base de dados do CSBH

Periódico, que circulou de forma impressa de 1977 até 2004, é uma preciosa ferramenta para quem quer conhecer a história da esquerda brasileira nas últimas quatro décadas. Projeto inovador e democrático, o jornal Em Tempo participou da formação de toda uma geração de combatentes socialistas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook