Home / Conteúdos / Artigos / Livro conta a história do 8 de março

Livro conta a história do 8 de março

Nos 100 anos do Dia Internacional da Mulher, a SOF (Sempreviva Organização Feminista) e a Editora Expressão Popular lançam o livro AS ORIGENS E A COMEMORAÇÃO DO DIA INTERNACIONAL DAS MULHERES, de Ana Isabel Álvarez González, traduzido do espanhol. A obra aborda o movimento das mulheres socialistas do final do século XIX e início do século XX, e ajuda a conhecer a história do 8 de março.

Diversas são as histórias que tentam contar a origem do Dia Internacional das Mulheres, comemorado no dia 8 de março ao redor do mundo.

Conhecer as motivações e desvendar os mitos e os fatos que deram origem ao 8 de março é o que nos traz o livro de Ana Isabel Álvarez González, agora traduzido para o português. A pesquisa realizada pela autora vai a fundo conhecer a história do movimento de mulheres socialistas do final do século 19 e início do século 20. Revela embates e contradições dentro do movimento socialista quanto ao reconhecimento da importância da igualdade entre os sexos e da libertação das mulheres.

A luta das mulheres reivindicava o direito ao voto, seu reconhecimento como portadoras de bens e direitos, o acesso ao trabalho e ao espaço público.

Ao se completar um século desde que as mulheres socialistas reunidas em Copenhague aprovaram a proposta do Dia Internacional das Mulheres, a recuperação do significado dessa data é uma contribuição importante para a reflexão sobre os desafios, as formas de organização e as reivindicações que mobilizam a luta das mulheres ainda hoje.

A autora relata também os acontecimentos do trágico e marcante incêndio em uma fábrica nos Estados Unidos, no qual mais de cem operárias foram mortas. Tal evento foi de suma importância para o desenvolvimento do movimento operário estadunidense, porém, a autora desconstrói o mito que o vincula à criação do Dia Internacional das Mulheres.

O livro AS ORIGENS E A COMEMORAÇÃO DO DIA INTERNACIONAL DAS MULHERES será lançado dia 13 de Março, às 16h, em Várzea Paulista-SP (Av. Projetada, ao lado do Espaço Cidadania e da Prefeitura) durante a 3ª Ação Internacional da Marcha Mundial das Mulheres.

Veja também

As eleições de 2018 e os desafios da esquerda | Raul Pont

"Não há mais condições de rompermos a crise do sistema eleitoral e partidário sem apontarmos para a sociedade a formação de um bloco sólido, plural, mas unificado em torno de um programa comum que a população se identifique. A eleição precisa ter o caráter pedagógico da identidade com um programa, um projeto de longo prazo, animado por uma Frente política ampla mas com uma coerência programática e objetivos comuns", defende Raul Pont.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook