Home / Conteúdos / Artigos / Os impasses nas definições da ALCA

Os impasses nas definições da ALCA

Sob pressão. Saídas desenhadas até o momento são limitadas e contraditórias.

Por Rafael Freire*

As negociações da ALCA entraram num impasse. Alguns negociadores começam a falar que não se chegará a acordo nenhum até a data prevista de janeiro de 2005. Mas dentro do governo brasileiro a estratégia que conduziu a esse cenário sofre fortes tensionamentos e ambigüidades, o que reforça que somente a continuidade da mobilização popular contra esse tratado impedirá que ele se concretize.

Em fevereiro de 2003, o Ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, anunciou que as negociações não poderiam resultar em “perda de soberania do país para fazer política de desenvolvimento”, um questionamento a boa parte da pauta ALCA. O Ministro afirmou, como contraposição, o Mercosul como prioridade.

8alca_site

A busca por saídas

Em maio, o governo definiu a estratégia “em três trilhos” (na OMC, na ALCA e nas relações bilaterais a partir do Mercosul) que depois se desdobrou na proposta de uma ALCA em “dois níveis”. Um, o “piso”, a chamada “ALCA light”, que envolveria todos os 34 países, mas em patamares mínimos de acordo. O outro, o dos acordos plurinacionais, que seria optativo entre aqueles países que assim o quiserem sobre os temas que definam (acima do “piso” definido no anterior).

Em fevereiro de 2004, em Puebla, México, esse desenho foi ao impasse quando os dois pólos, EUA (G14) e Brasil (Mercosul, Venezuela) foram definir o que seria o “piso”. Os EUA buscavam preservar o seu agronegócio subsidiado e protegido, abrir portas para os interesses norte-americanos em investimentos, propriedade intelectual, serviços e compras governamentais. O Mercosul insistia em avançar no acesso ao mercado agrícola do norte para os produtos dos países latino-americanos. O G14 acenou que qualquer avanço nesse terreno só seria tratado se em troca o Mercosul fizesse o mesmo nas áreas de interesse dos EUA. Depois de duas rodadas de negociações informais entre os dois blocos realizadas em Buenos Aires em março e abril, o impasse continua.

Duas possibilidades

Dentro do governo brasileiro, porém, há sabidamente dois “pólos” contraditórios. Um liderado pelo Itamaraty e outro pelos ministérios da Agricultura e da Fazenda. Sob o governo FHC, o Itamaraty foi complacente em relação ao conteúdo e à forma da ALCA. Desde 2003 essa fase foi encerrada. Mas a nova estratégia oscila entre duas hipóteses.

A primeira parece apontar para a “dilação”, para retardar e esfriar esse projeto na região. A segunda seria levar as negociações para um resultado de uma ALCA “inócua, esvaziada de conteúdos”. Enquanto isso, o ministério iria tentando estreitar laços econômico-comerciais “no Sul” do continente (América do Sul) e do mundo (África do Sul, Índia, China), fazendo pender a política externa para esse outro terreno.

Ameaças e armadilhas

Puebla mostrou os limites e contradições dessa segunda hipótese. A “ALCA em dois níveis” tira liderança do Brasil frente aos demais países da América Latina. Afora o Mercosul e a Venezuela, todos os outros países tendem a se comportar como satélites em torno à dinâmica do “segundo nível” com os EUA. E a definição do que seria o “mínimo” estimula aos diversos setores sociais no Brasil e no continente a entrar no debate tentando se salvar individualmente, sem considerar o que está em jogo de conjunto.

Tudo isso remete a uma questão mais global em relação à estratégia do Itamaraty. Ainda que seja um dos setores mais progressistas dentro do governo Lula, o Ministério parece se orientar apenas a diminuir os impactos negativos dessa agenda, sem propor uma pauta diferente da que já circula em escala global.

Já o governo dos EUA mantém uma postura agressiva de obter concessões econômicas de todos os países da região, o Brasil incluído. Para tanto, conta com a “Quinta Coluna” dentro do governo Lula e explora politicamente a vulnerabilidade externa da economia brasileira. Esta batalha não está encerrada no âmbito regional nem dentro do governo brasileiro.

*Rafael Freire é membro da Executiva Nacional da CUT e coordenador da Secretaria da Aliança Social Continental

 

Veja também

Jornal Em Tempo digitalizado está disponível na base de dados do CSBH

Periódico, que circulou de forma impressa de 1977 até 2004, é uma preciosa ferramenta para quem quer conhecer a história da esquerda brasileira nas últimas quatro décadas. Projeto inovador e democrático, o jornal Em Tempo participou da formação de toda uma geração de combatentes socialistas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Comente com o Facebook