Home / Temas / Brasil / Política adotada na Petrobras é responsável por 2,5 milhões de desempregados no Brasil

Política adotada na Petrobras é responsável por 2,5 milhões de desempregados no Brasil

A redução e o desinvestimento na Petrobras desde 2015 custou o emprego de 2,5 milhões de brasileiros, o equivalente a 19% do desemprego atual, e provocou o aprofundamento da crise econômica no país. Os dados fazem parte da exposição feita pelo cientista social William Nozaki em Salvador, durante o Ato em Defesa da Petrobras na Bahia, na manhã dessa segunda-feira,23, de setembro.

William Nozaki (foto de vídeo)

Diretor-técnico do Instituto de Estutos Estratégicos do Petróleo (Ineep), William Nozaki foi convidado para falar a uma plateia de cerca de 1.500 pessoas entre petroleiros, prefeitos, deputados, vereadores, representantes de movimentos sociais e moradores de cidades, cuja economia depende dos investimentos da Petrobras. Com o mote “Defender a Petrobras é defender o Brasil”, o encontro aconteceu na Assembleia Legislativa da Bahia, que organizou o ato, juntamente com a Frente Parlamentar em Defesa da Petrobras e o Sindipetro-BA.

O novo governo e a nova direção da Petrobras caminham no sentido da aceleração da venda de ativos da empresa e da completa saída da Região Nordeste. A Bahia é um dos estados que mais tem a perder com a desativação da Petrobras. Foi a Bahia que motivou o nascimento de uma petrolífera brasileira, foi onde aconteceu a primeira extração de petróleo do Brasil e hoje tem todas as atividades das frentes de atuação da Petrobras, de fertilizantes ao refino.

“Quando a Petrobras sinaliza que vai concentrar suas atividades no Pré-Sal e no setor de óleo e gás, isso significa que ela ficará concentrada no Sudeste, em São Paulo e no Rio de Janeiro. E a Bahia está sentindo esse impacto intensamente ao longo dos últimos anos já. Foi lá que começou a hibernação da primeira fábrica de fertilizantes, foi lá que começou a venda das primeiras unidades de biocombustíveis e é lá que está se iniciando a venda do refino. E pra economia local isso tem um impacto muito grande”, conta Nozaki.

Segundo estudos do Ineep, entre 2018 e 2022, 60% do total dos investimentos no país seriam feitos pela Petrobras, caso não houvesse o desinvestimento. Os novos planos da Petrobras não prevêem qualquer investimento na região Nordeste nos próximos anos. Se a saída da empresa for confirmada, só na região devem ser perdidos mais 319 mil empregos.

Ainda segundo o Instituto, cada R$ 1 bilhão investido na Petrobras se reverte em R$ 1,28 bilhão no PIB nacional, e gera 30 mil postos de trabalho.

A saída da Petrobras do Nordeste já foi tema de uma reunião do Consórcio de Governadores e formou uma reação capaz de reunir políticos da base e da oposição no Estado, além de trabalhadores e movimentos sociais.

Ao final do encontro, o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Nelson Leal, anunciou a articulação para a criação de uma Frente Parlamentar das Assembleias Legislativas em todo o Nordeste em Defesa da Petrobras. (Do Ineep)

Publicado originalmente em Carta Campinas.

Veja também

Jornal Em Tempo digitalizado está disponível na base de dados do CSBH

Periódico, que circulou de forma impressa de 1977 até 2004, é uma preciosa ferramenta para quem quer conhecer a história da esquerda brasileira nas últimas quatro décadas. Projeto inovador e democrático, o jornal Em Tempo participou da formação de toda uma geração de combatentes socialistas.

Comente com o Facebook