Home / Conteúdos / Artigos / 1917 – 2017: Passado e Presente da Revolução Russa | A série completa

1917 – 2017: Passado e Presente da Revolução Russa | A série completa

Há um século a Revolução Russa surpreendia o mundo. O levante soviético foi uma promessa libertária e, ao mesmo tempo, dez anos depois, um desenlace cada vez mais ditatorial. As reivindicações de paz, pão e terra, entretanto, ainda compõem os sonhos e as utopias da esquerda que nunca mais seria a mesma depois de 1917. A partir da segunda, 30 de outubro, apresentamos uma série de reflexões que dialogam sobre os legados da grande revolução para nós.

A ideia é a cada dia resgatar parte dos acontecimentos e posicionamentos políticos do processo revolucionário que completa 100 anos nesses dias e refletir sobre sua influência e atualidade para esquerda revolucionária a partir da contribuição de algum companheiro/a. São sempre dois textos curtos, combinando passado e presente. A série segue até a próxima quinta, dia 9 de novembro.

 

Segunda, 30 de outubro de 2017
A REVOLUÇÃO QUE MUDOU O NOSSO TEMPO

A história é viva e, portanto, tem movimento. Voltar à Revolução Russa, passados cem anos, é retomar os seus sentidos políticos que transformaram todo o planeta.
Leia o capítulo um que inclui o artigo: A questão democrática – Por Raul Pont

 

Terça, 31 de outubro de 2017
LUTA CONTRA A GUERRA E A FOME

Greves e levantes envolveram as mulheres trabalhadoras e marcaram o começo do processo revolucionário. A participação na Guerra pesava sobre todo o país: muito frio, pouca comida e racionamento de alimentos. Nos meses de fevereiro e março de 1917 elas protestavam contra as jornadas extenuantes de trabalho e as péssimas condições de vida.
Leia o capítulo dois que inclui o artigo: As mulheres na Revolução Russa – Por Tatau Godinho

 

Quarta, 01 de novembro de 2017
AS TESES QUE CONDUZIRAM À REVOLUÇÃO PROLETÁRIA

Em 6 de março, ainda desde seu exílio em Zurich, Suíça, Lenin tinha enviado este telegrama a seus companheiros que como ele voltavam à Rússia: “Nossa tática: absoluta desconfiança, nenhum apoio novo governo, suspeitemos sobretudo Kerenski, armamento proletariado única garantia, eleição imediata Duma de Petrogrado, nenhuma aproximação de outros partidos. Telegrafar isto Petrogrado”
Leia o capítulo três que inclui o artigo: Nosso Lenin – Por Carlos Henrique Árabe

 

Quinta, 02 de novembro de 2017
A REVOLUÇÃO AGRÁRIA

O desenvolvimento desigual e combinado do capitalismo russo em finais do século XIX e inícios do Século XX impunha uma série de desafios para uma estratégia revolucionária marxista.  Uma das principais era a relação entre a classe operária que lideraria a revolução e o campesinato que é a maioria da população, ou o que é o mesmo dizer, a relação entre os objetivos socialistas e as reivindicações democráticas por terra para quem nela trabalha.
Leia o capítulo quatro que inclui o artigo: O campesinato na Revolução – Por Miriam Nobre 

 

Sexta, 03 de novembro de 2017
O PRIMEIRO GOVERNO SOVIÉTICO

Desde a revolução de fevereiro o país tinha vivido sob dois poderes. Por um lado, o governo provisório que integravam correntes políticas liberais e socialistas. Buscava deter as transformações na conquista do fim da monarquia. Por outro, os sovietes de operários, soldados e camponeses que buscavam realizar as reivindicações mais sentidas das massas do fim da guerra e por terra.
Leia o capítulo cinco que inclui o artigo: Trotsky, hoje – Por Luizianne Lins

 

Sábado, 04 de novembro de 2017
SOVIET OU ASSEMBLEIA CONSTITUINTE?

Ao longo dos doze meses que correram entre a deflagração da revolução que derrubou o czar em fevereiro de 1917 até janeiro seguinte quando se instala a Assembleia Constituinte, a conjuntura política russa tinha sofrido mudanças dramáticas.
Leia o capítulo seis que inclui o artigo: Economia da Transição Socialista – Por Claudio Puty

 

Domingo, 05 de novembro de 2017
REVOLUÇÃO SOCIALISTA E PAZ

Em 03 de março de 1918, a Rússia decidiu deixar a Grande Guerra. Tratava-se de uma reivindicação do processo revolucionário. Entre as três primeiras medidas do II Congresso dos Soviets depois da tomada to poder em 25 de outubro esteve o “Decreto sobre a paz” que afirmava propor “o começo imediato das negociações de uma paz justa e democrática”.
Leia o capítulo sete que inclui o artigo: A luta dos povos oprimidos – Por Lucio da Costa

 

Segunda, 06 de novembro de 2017
INTERNACIONALISMO E REVOLUÇÃO

Em 1919, Lênin e o partido bolchevique fundaram a Internacional Comunista (IC) também conhecida como Terceira Internacional.  A ruptura com a Internacional Socialista ou Segunda Internacional tinha acontecido em torno às as posições tomadas por diversas seções nacionais ou frações de partidos em relação à Primeira Guerra Mundial (1914-1918), caracterizada como guerra imperialista.
Leia o capítulo oito que inclui o artigo: A revolução e a questão negra – Por Cledisson Junior

 

Terça, 07 de novembro de 2017
INTERNACIONALISMO E REVOLUÇÃO

Em abril de 1918, as forças políticas derrotadas pela Revolução de Outubro deflagraram uma guerra civil contra o governo soviético. Os contrarrevolucionários contaram com apoio e participação ativa dos exércitos dos países imperialistas envolvidos na Grande Guerra. A Rússia revolucionária permaneceu literalmente isolada, cercada por frentes de batalha em grande parte de seus territórios de fronteiras.
Leia o capítulo nove que inclui o artigo: A Ciência como instrumento da Revolução – Por Margarida Salomão 

 

Quarta, 08 de novembro de 2017
GUERRA CONTRA A REVOLUÇÃO

Dos mais de seis anos que Lenin esteve à frente da revolução, desde meados de 1921 sua capacidade de trabalho foi afetada por doenças e sequelas do atentado que sofreu em 1918. Entre maio de 1922, temporariamente, e dezembro desse ano, de forma definitiva, esteve prostrado em uma cadeira de rodas.  Veio a falecer em 24 de janeiro de 1924.
Leia o capítulo dez que inclui o artigo: Ecologia e Anti-Ecologia – Por Alvaro Alencar e Regina Brunet 

 

Quinta, 09 de novembro de 2017
O FALECIMENTO DE LENIN

Lenin morreu vítima de doenças vasculares que o afetavam há algum tempo no dia 21 de janeiro de 1924. Transcrevemos a seguir um episódio de seus últimos momentos de vida, que evidencia quanto ele estava ciente da batalha que a revolução estava travando.
Leia o capítulo onze que inclui o artigo: A permanência da paixão mais alegre – por Juarez Guimarães

 

 

Veja também

Carta ao povo brasileiro

Em texto enviado neste domingo (13) movimento reafirma convicção na inocência de Lula defende seu direito de concorrer às eleições presidenciais.

Comente com o Facebook